Arquivo anual 2019

porAdriane

Campanha Mega da Virada.

Clique no link abaixo e veja a apresentação da campanha da Mega da Virada.

 

Apresentação_Campanha_2019_Mega_da_Virada v8

porNeimar Mariano Arruda

6 maneiras de otimizar as tarefas da equipe de sua lotérica

Otimizar as tarefas de uma equipe de casa lotérica permite que o trabalho tenha um fluxo mais eficiente, mais rápido, com melhoria do atendimento e com facilidade de comunicação entre os operadores de caixa e os clientes.

Ao otimizar as tarefas, o empresário lotérico consegue aumentar a produtividade de seus operadores de caixa, consegue realizar melhor o planejamento do futuro de sua empresa e consegue fazer com que haja mais eficiência por parte da equipe de trabalho.

A implantação de um sistema de gestão financeira informatizado permite que todas as tarefas sejam otimizadas, facilitando aos operadores de caixa todas as operações necessárias para o bom andamento de suas atividades e permitindo mais tempo para dar atenção ao que realmente interessa para atrair mais clientes para a empresa, ou seja, dar atenção ao cliente, que é o objetivo principal de qualquer empresa que pretende aumentar o numero de clientes.

É importante saber que, mesmo sendo um estabelecimento procurado em todos os bairros de qualquer cidade, a casa lotérica não precisa depender somente dos clientes daquele bairro. Ao otimizar as tarefas e melhorar o atendimento, o empresário terá condições de fidelizar a clientela, trazendo clientes de outros pontos da cidade.

Veja, a seguir as formas de otimizar as tarefas da lotérica e melhorar o desempenho da sua empresa:

1.      Procura de erros, falhas e defeitos

Para começar a otimizar as tarefas da equipe é necessário procurar possíveis falhas e erros ou omissões existentes em todos os processos necessários de atividades da lotérica. Com uma análise minuciosa, o empresário terá condições de ver como tudo está funcionando e onde pode melhorar, garantindo maior lucratividade para a empresa.

2.      Estabelecer metas possíveis

O estabelecimento de metas é o segundo passo a tomar para otimizar as tarefas da equipe. O empresário, nesta etapa, deve apresentar metas dentro das possibilidades de sua lotérica, de forma que possam ser atingidas dentro do prazo determinado. Ao estabelecer metas dentro da realidade, conseguirá otimizar as atividades e aumentar a produtividade.

3.      Fazendo reuniões com a equipe

Como em qualquer empresa, a casa lotérica também precisa de reuniões com a equipe de trabalho, onde o empresário poderá detectar problemas dos funcionários e encontrar as estratégias mais acertadas para corrigir. As reuniões servem ainda para fazer a proposta de metas e para analisar a situação passada da casa lotérica, identificando onde cada funcionário encontrou obstáculos.

4.      Mantendo um canal de comunicação

Um ambiente de trabalho tranquilo, onde as pessoas depositam confiança na chefia, pode se tornar muito mais produtivo do que um ambiente opressor, onde todos só fazem sua obrigação por receio do chefe. Abrir e manter um canal de comunicação com os funcionários é o passo certo para melhorar as atividades, fazendo com que a equipe se torne muito mais produtiva.

5.      Automatizando os processos e atividades

A automatização e informatização dos processos administrativos é a forma mais eficiente de otimizar as tarefas da equipe. O sistema AGIL permite automatizar todas as atividades, melhorando a capacidade de cada operador de caixa e trazendo mais segurança nas informações que o lotérico precisa para melhorar a lucratividade de sua empresa.

6.      Prestando reconhecimento à equipe

Quando um operador de caixa recebe um prêmio pela produtividade e lucratividade, o empresário pode ter certeza de ter um colaborador cada vez mais eficiente. A motivação é maior para uma equipe que sente a presença constante do chefe e seu apoio. Estabelecer prêmios e reconhecer os melhores funcionários vai fazer com que toda a equipe procure melhorar. E, ao melhorar a equipe, a casa lotérica como um todo também sentirá a sua melhoria.

porAdriane

SEGURO EMPRESARIAL LOTÉRICO.

Empresários Lotéricos

O SINLOPAR formalizou uma parceria com a PROTEGE  CORRETORA  que representa as   seguradoras   PORTO   SEGURO E TOKIO MARINE no intuito de adicionar novas opções na contratação do seguro das lotéricas. Estas seguradoras estão devidamente homologadas pela CAIXA.
Por intermédio desta parceria, assim estamos fazendo com as seguintes premissas a depender de uma  ou outra seguradora, algumas das vantagens nas apólices, segundo opção do lotérico:
1-  Descontos especiais para lotéricas blindadas
2 – Descontos para lotéricas localizadas em shopping/hipermercados/aeroportos
3 – Descontos para lotéricas sem sinistro
4 – Descontos para equipamentos de segurança
5 – Desconto para contratações de coberturas adicionais
6 – Pagamento de 100% do sinistro em até 5 dias (após a entrega dos documentos completos descritos em check list) as apólices não fazem antecipações para possíveis estornos, o pagamento é 100 % do sinistro.
7 – Assessoria pela Protege Corretora – departamento de sinistros – e , quando necessário, serviços jurídicos gratuito por advocacia especializada em favor do segurado.

Contatos da PROTEGE CORRETORA – 0800-6466834   / 61 3217-2900     www.protegeseguros.com.br

SINLOPAR
Sempre em busca de melhorias para Rede Lotérica.

 

porNeimar Mariano Arruda

Histórico de fechamento de caixa: como armazenar e filtrar as informações com segurança e eficiência?

A principal tarefa de uma casa lotérica, todos os dias, é o fechamento de caixa, principalmente em razão da própria atividade, que é a movimentação de dinheiro.

O dia a dia da casa lotérica gira em torno do dinheiro e, assim, é de fundamental importância que tudo esteja sob controle. O fechamento de caixa exige muita atenção do responsável, já que todos os resultados da lotérica, sua lucratividade e rentabilidade, dependem de armazenar e filtrar as informações com eficiência e segurança.

A melhor forma de garantir a segurança dos números na casa lotérica é mantendo um sistema de gestão informatizado, que centralize todas as informações e que as mantenha armazenadas em relatórios para eliminar qualquer dúvida, para sanar possíveis falhas e para garantir que todos os procedimentos estão sendo feitos da forma correta.

O sistema desenvolvido pela DouraSoft, o AGIL, possui todas as funcionalidades necessárias para que o lotérico tenha essa segurança. Trata-se de um sistema de gestão que vem sendo desenvolvido há 20 anos e que acompanhou todas as alterações, reunindo ferramentas que possibilitam um fechamento do caixa com a distribuição de valores em contas e categorias, permitindo maior facilidade na conferência.

O sistema AGIL possibilita reunir todas as informações de todos os caixas TFL da casa lotérica, permitindo que o empresário tenha, em sua própria tela, as informações de toda a movimentação de todos os operadores de caixa de forma automática.

Para manter o fluxo de caixa e armazenar todo o histórico de fechamento é necessário apenas uma pessoa, que tenha organização e atenção para operar o sistema e fazer o acompanhamento e fechamento de caixa, mesmo que a casa lotérica tenha um maior número de caixas TFL.

O sistema AGIL foi desenvolvido através de uma plataforma intuitiva e dinâmica, com inúmeras funções complementares para que todas as informações possam ser disponibilizadas, como relatórios e gráficos, permitindo visualização completa de toda a movimentação financeira.

Armazenando e filtrando informações

Em vez de controles manuais, de planilhas que exigem tempo e atenção do responsável pelo fechamento de caixa, o sistema AGIL só exige que se faça o acompanhamento e conferência dos lançamentos feitos pelos operadores de caixa.

O sistema apresenta uma ferramenta específica que permite ao responsável acompanhar o fluxo de dinheiro em todos os caixas em tempo real, emitindo todos os relatórios diários exigidos para o controle sobre o fechamento do caixa e fornecendo das informações para o planejamento futuro da empresa.

Através do AGIL é possível verificar o momento certo para as sangrias durante o dia, registrando os valores e permitindo, no final do período, que o caixa seja fechado em menos de três minutos, trazendo grande economia de tempo e garantindo fidelidade nos lançamentos.

Para as obrigações da casa lotérica com a Caixa Econômica, como as contas 003 e 043, que devem ser repassadas diariamente, o sistema AGIL permite a conciliação de contas bancárias com o próprio sistema de gerenciamento, fornecendo ao responsável pela contabilidade e fechamento de caixa a visualização em tempo real do saldo dos caixas e das contas bancárias, sem necessidade de consulta através da internet.

O fechamento do caixa com o sistema AGIL torna-se, portanto, muito mais simples e prático, evitando perda de tempo e, principalmente, permitindo que tudo seja feito dentro dos prazos estabelecidos, sem gerar multa para a empresa.

O sistema mantém todos os dados armazenados e isso vai garantir que, a qualquer momento, o empresário lotérico possa ter acesso a todas as informações passadas, com o resumo completo do TFL salvo para cada fechamento de caixa. Se for necessário conferir, basta imprimir novamente o resumo ou reabrir o caixa.

Com o sistema AGIL, o empresário lotérico mantém o total controle sobre sua empresa.

porNeimar Mariano Arruda

Administração de lotéricas: como ter um bom controle de contas a pagar e contas a receber?

O controle de contas a pagar e contas a receber é um dos mais importantes para o lotérico direcionar as atividades de sua empresa. É esse controle quem pode garantir a continuidade das atividades da empresa, mesmo porque os resultados devem ser determinados pelo fluxo de pagamentos e recebimentos.

O sistema AGIL de gestão financeira de lotéricas, desenvolvido pela DouraSoft permite o total controle das contas a pagar e contas a receber, oferecendo ao lotérico o controle interno adequado, tendo em mãos todas as informações para aprimorar a eficiência da empresa e melhorar a qualidade no atendimento, tornando a casa lotérica mais competitiva no mercado.

Controle das contas para proteger a empresa

Numa casa lotérica, o controle das contas a pagar e receber representa os procedimentos e rotinas que tem como principal objetivo proteger o ativo da empresa e produzir os dados contábeis para ajudar na condução dos negócios.

O sistema AGIL mantém um sistema de controle confiável, possibilitando a detecção de eventuais falhas, erros ou fraudes, para que o empresário lotérico possa tomar todas as providências, evitando prejuízos à casa lotérica.

A importância do controle interno de contas a pagar e contas a receber oferecido pelo sistema AGIL, pode ser percebida como prevenção para a casa lotérica, protegendo a empresa contra qualquer problema, servindo para reduzir os erros ou as tentativas que fraude, que, querendo ou não, sempre existem numa empresa como uma casa lotérica, que trabalha com grandes volumes financeiros todos os dias.

Para que serve o controle de contas a pagar e contas a receber

O controle de contas a pagar e contas a receber do sistema AGIL atende diversas necessidades:

  • Comparar o real com o previsto;
  • Identificar possíveis desvios de recursos;
  • Analisar as causas dos desvios;
  • Implantar medidas corretivas para garantir a integridade da lotérica.

O sistema de controle de contas a pagar e contas a receber apresenta ainda as seguintes funcionalidades;

  • Previsão de pagamentos e recebimentos;
  • Execução de pagamentos na data certa e cobrança dos débitos;
  • Mensuração dos resultados da empresa e dos débitos e créditos existentes.

Todos os registros num mesmo sistema

Todos os registros de contas a pagar e contas a receber são feitos no sistema AGIL de maneira prática, dentro de uma interface amigável, com facilidade de operacionalização.

Cada compra registrada no sistema irá gerar, de forma automática, um registro em contas a pagar. O cadastro existente no sistema permite a localização do fornecedor e possibilita o registro direto no cadastro daquele fornecedor, o que vai evitar qualquer erro de lançamento. Basta o operador do sistema conferir se é aquele o fornecedor e fazer o lançamento, com os valores da compra, a data da compra, o número da nota fiscal, a discriminação dos produtos adquiridos e a data do pagamento.

Da mesma maneira, quando for feita uma venda a prazo, o sistema também registra as informações dentro do cadastro do cliente. O operador do sistema deve lançar as informações relativas à venda, com a discriminação do produto, a data, o número do comprovante de venda e a data prevista para o recebimento do valor.

O lotérico, através desses registros, terá em mãos um relatório completo sobre as contas a pagar e contas a receber da empresa, discriminadas por fornecedores ou pela data de pagamento, da forma que considerar mais apropriada.

Para ter um bom controle de contas a pagar e contas a receber, vale lembrar que o próprio sistema AGIL dá o alerta nos dias de pagamentos de contas ou na previsão de recebimentos. Com essa facilidade, o empresário lotérico não terá que se preocupar com anotações complementares, garantindo o cumprimento de todos os compromissos.

porNeimar Mariano Arruda

Dia da proclamação da República

Liberdade proclamada, esperança reacendida.

porAdriane

REUNIÕES ENTRE CAIXA, FEBRALOT E SINDICATOS ESTADUAIS.

SEGUINDO O PROTOCOLO DE REUNIÕES ENTRE CAIXA, FEBRALOT E SINDICATOS
ESTADUAIS, CONFIRA AS ÚLTIMAS TRATATIVAS

As lideranças do setor de loterias reuniram-se em São Paulo no início de novembro e trataram dos principais
temas de interesse para o setor. Confira os tópicos abordados abaixo:
1) Visita ao Centro Paraolímpico em São Paulo, área de excelência em treinamento de atletas de alto nível. O
Centro de Treinamento está localizado na cidade de São Paulo, num terreno de 100 mil m² e a visita teve como
objetivo, a demonstração da Caixa de como o repasse das Loterias ao centro é empregado com a intenção de
proporcionar aos Lotéricos, informações para a prática do marketing social para alavancar as vendas de jogos,
dado que a arrecadação de Loterias proporciona o desenvolvimento de atletas de alto nível além dos prêmios
aos apostadores.

Clique no link abaixo e leia todas as tratativas na integra.

Reunioes de novembro com a Caixa SP 1

 

porNeimar Mariano Arruda

4 motivos que indicam que controlar o estoque da lotérica é importante

O controle de estoque nas casas lotéricas deve ser constantemente avaliado para que o empresário garanta a saúde financeira de seu empreendimento. Diante da importância de uma casa lotérica para a população, com aumento constante na demanda por parte dos clientes, a casa lotérica deve manter o controle do seus estoques de produto de forma criteriosa.

O que gera lucros para uma casa lotérica é o fluxo de clientes, com filas constantes, que exigem atenção por parte dos operadores de caixa. O fluxo constante não permite a correta conferência do estoque de produtos, podendo provocar erros no controle e, consequentemente, trazendo prejuízos para a empresa.

Uma administração correta do estoque é uma das maneiras que o lotérico possui para não ter prejuízos financeiros. É preciso entender que o ser humano pode falhar e isso acontece não por falta de vontade, mas sim por falta de condições de trabalho.

Desta forma, o lotérico deve oferecer aos seus operadores condições para que mantenham o foco no atendimento, evitando que sua atenção seja dispersa para outras atividades, que podem ser automatizadas e mantidas de maneira mais acertada. Automatizando a conferência dos registros de produtos, a casa lotérica não corre qualquer risco, seja na perda ou na falta de produtos.

O lotérico possui bons motivos para controlar o estoque de sua empresa. A seguir, apresentamos os principais deles:

1.     Modernizar para ganhar tempo e dinheiro

Algumas casas lotéricas ainda se utilizam de controles antigos de estoque, mantendo a distribuição de produtos disponibilizados aos operadores e contabilizando seus valores como dinheiro. O procedimento, embora possa ser eficaz, não facilita a contagem dos produtos mais vendidos e produtos que estejam em falta. Embora seja um método eficiente, impossibilita que o lotérico possa investir mais facilmente nos produtos que são mais vendidos e solicitados pelos clientes.

2.     Conferência do estoque para garantir a confiabilidade das informações

O inventário do estoque da casa lotérica possibilita garantir melhor gestão para a empresa, trazendo informações detalhadas sobre todos os produtos e garantindo a confiabilidade dessas informações. Com a automatização do controle de estoque, o lotérico poderá verificar qualquer desvio, conferindo inclusive a quantidade de produtos em estoque.

3.     Conferência periódica e rotativa

O controle de estoque da casa lotérica deve ser feito de duas formas: um controle periódico e um rotativo. Entre os dois, o mais importante é o controle rotativo, que apresenta influência direta nos lucros da lotérica. O principal objetivo de um controle rotativo é evitar riscos de perda de produtos, informando a situação de saída e de entrada de cada produto. Através dessa conferência, o lotérico pode saber o tipo de produto mais vendido e os que menos trazem lucros para sua empresa.

4.     Automatizar para oferecer produtos de maior aceitação

Os inventários de estoque em casas lotéricas, quando feitos de forma manual, exige tempo, correndo-se ainda o risco de haver contagem incorreta. A automatização do controle de estoque permite ganhar tempo, conferir detalhes sobre as vendas e permite, ainda, ao lotérico, oferecer produtos que tenham maior aceitação, já que os números são distribuídos através do controle de cada produto vendido.

Conclusão

Para garantir um controle de estoque correto na casa lotérica, o sistema ideal é o AGIL, sistema de gestão de lotéricas desenvolvido pela DouraSoft, empresa especializada em softwares, que permite o controle total sobre os estoques.

O programa AGIL permite cruzar dados sobre o estoque, gerando relatórios que ajudam o lotérico a aplicar melhorias aos produtos que comercializa. Os relatórios do controle de estoque permitem visualizar o histórico dos produtos e o fluxo de vendas de cada um deles, sem necessidade de controles paralelos, tornando possível melhorar o atendimento sem comprometimento do fluxo de clientes na lotérica.

 

 

Neimar Mariano de Arruda é Administrador de Empresas, Consultor Lotérico
Especialista em Governança de Tecnologia da Informação e Fundador da DouraSoft
(67) 9.9698-3422

porNeimar Mariano Arruda

#NovembroAzul

  Não é bobeira, é prevenção, sua saúde é prioridade.

porNeimar Mariano Arruda

5 dicas para tirar vantagem da nova regra do rotativo do cartão de crédito

A mudança deve trazer alívio ao consumidor que costuma pagar apenas o valor mínimo da fatura e acaba entrando na bola de neve dos juros do rotativo (que hoje passam de 15% ao mês, ou 450% ao ano).

A partir de 3 de abril, o rotativo só poderá ser usado por, no máximo, 30 dias. Depois desse prazo, ou o cliente quita a fatura vencida acrescida dos juros do rotativo, ou o banco terá que oferecer uma alternativa, que pode ser o parcelamento da dívida. Hoje, não há limite de tempo para uso dessa linha de crédito.

A expectativa do governo é que o custo do cartão de crédito caia pela metade com a mudança. Veja abaixo cinco dicas para tirar vantagem da mudança.

1) Pague 100% da fatura

Para quem está com as contas em dia e paga 100% da fatura do cartão no vencimento, nada muda com a nova legislação. E essa continua sendo a melhor opção para evitar pagar juros.

2) Não aceita a primeira oferta

Esse é o primeiro ponto a que o consumidor precisa ficar atento: após os 30 dias no rotativo, cada banco pode definir quais alternativas vai oferecer ao cliente. O Banco Central não definiu nenhuma regra quanto a taxas de juros ou número de prestações. A princípio, os juros serão menores do que no rotativo.

“Nossa expectativa é que os clientes sejam levados a trocar o rotativo do cartão, cuja taxa está em 450% ao ano (15% ao mês), por uma modalidade de crédito parcelado, com juros na casa de 150% ao ano (8% ao mês)”, afirma o diretor de economia da Anefac (associação dos profissionais de finanças), Roberto Vertamatti.

“Ainda assim, ela seria a terceira linha de crédito mais cara do mercado, atrás apenas do rotativo do cartão e do cheque especial. Portanto, eu não ficaria muito animado.”

Ou seja: a alternativa oferecida pelo banco pode não ser necessariamente a melhor para você. A recomendação de Vertamatti é pesquisar outras opções de empréstimo dentro do próprio banco e também em outras instituições.

“A concorrência, ainda que seja pequena no Brasil, tende a aumentar com as mudanças que foram anunciadas. Por isso, o consumidor deve ficar mais atento, pesquisar e trocar de cartão ou de banco, se for o caso.”

3) Empréstimo pessoal pode ser melhor que o parcelado

Uma simulação* feita pelo aplicativo de finanças pessoais Guia Bolso para o UOL mostra que apelar para o empréstimo pessoal para pagar a dívida do cartão de crédito pode sair mais barato do que parcelar essa dívida do cartão com o banco.

Por exemplo, um consumidor com uma dívida de R$ 1.000 no cartão de crédito:

  • pela regra atual do rotativo, após 1 ano pagará R$ 2.213,76 no total;
  • pela nova regra, se ficar 1 mês no rotativo e parcelar a dívida em 11 vezes, pagará R$ 1.771,99 no total;
  • se fizer um empréstimo pessoal para cobrir a dívida do cartão, pagará R$ 1.381,56 no total.

Nesse caso, com a nova regra o consumidor deixa de pagar R$ 441,77 em juros. Porém, se optar pelo empréstimo pessoal para quitar a fatura do cartão em dia, deixará de pagar R$ 832,20 em juros.

Outro exemplo: um consumidor com uma dívida de R$ 5.000 no cartão de crédito:

  • pela regra atual do rotativo, após 1 ano pagará R$ 11.068,80 no total;
  • pela nova regra, se ficar 1 mês no rotativo e parcelar a dívida em 11 vezes, pagará R$ 8.859,84 no total;
  • se fizer um empréstimo pessoal para cobrir a dívida do cartão, pagará R$ 6.907,68 no total.

Nesse caso, com a nova regra o cliente deixa de pagar R$ 2.208,96 em juros. Se optar pelo empréstimo pessoal para quitar a fatura do cartão em dia, deixa de pagar R$ 4.161,12 em juros.

4) Cuidado ao voltar a usar o cartão

A nova regra não definiu como fica o limite de gastos no cartão após o prazo de 30 dias no rotativo. O consumidor tem seu limite de crédito reduzido até quitar a dívida?

“Não há uma regra. Ficará a critério de cada banco restabelecer o limite original do cartão ou considerar que aquele novo empréstimo alternativo continua restringindo o limite. Vai depender muito do relacionamento do banco com o cliente”, diz Vertamatti.

De toda forma, o consumidor deve ficar atento ao quanto pode pagar, e não ao limite oferecido pelo banco, alerta o especialista. “A pessoa precisa aprender a usar melhor o crédito para não se endividar ainda mais.”

5) Consulte o banco sobre como será a migração

Não está claro ainda se a migração do rotativo do cartão de crédito para um financiamento alternativo será automática, ou se o cliente terá que expressar a sua escolha de alguma forma. Procurados pela reportagem, os principais bancos se limitaram a elogiar a decisão do Banco Central, mas não deram detalhes sobre as estratégias que cada um irá adotar com os clientes, nem sobre as opções de empréstimo que serão oferecidas.

O Banco do Brasil, por exemplo, se antecipou às medidas e lançou uma campanha de educação financeira no início deste ano direcionada aos 2 milhões de clientes que estão usando o rotativo. O banco está orientando esses clientes a migrar para uma linha especial de parcelamento, com custo menor, mas não detalhou as taxas praticadas. “O BB não só apoia essas medidas, como anunciou uma redução de até quatro pontos percentuais na taxa praticada no rotativo, o maior corte do mercado”, declarou o presidente da instituição, Paulo Caffarelli.

O BB disse que informará até 15 de fevereiro como ocorrerá o parcelamento automático da fatura para os clientes que ultrapassarem os 30 dias no uso do rotativo do cartão. “Os clientes podem ficar tranquilos porque tudo será comunicado previamente. Esse período de transição é justamente para definirmos as condições mais adequadas aos diferentes perfis dos nossos clientes”, disse Marcelo Labuto, vice-presidente de Negócios de Varejo.

O Itaú Unibanco diz que, desde 2012, adota o Itaucard 2.0, um modelo alternativo de cartão que oferece juros menores para o consumidor. “De forma geral, acreditamos que ainda há espaço para redesenhar o sistema de cartão de crédito no Brasil, com um rebalanceamento dos custos dos vários tipos de pagamento e financiamento. As medidas divulgadas pelo governo são um passo importante na direção de modernizar esse setor”, disse o diretor executivo da área de cartões, Marcos Magalhães.

O Bradesco afirmou, em nota, que as medidas são “um avanço que trará eficiência nas relações com os consumidores”. O banco disse que ainda fará os ajustes necessários em seus sistemas para se adaptar à nova regulamentação.

O presidente do Santander, Sérgio Rial, disse que as medidas seguem na direção certa, porque o que está em jogo é a viabilidade financeira das pessoas. “Existe uma complexidade operacional, que vamos superar para oferecer um crédito parcelado condizente com a capacidade de pagamento do cliente.”

* A simulação considera, para a regra atual do rotativo do cartão de crédito, que o consumidor paga apenas o valor mínimo da fatura e joga o restante da dívida no rotativo; foi considerada uma taxa de 15% ao mês, que corresponde à média praticada hoje no mercado. Para as novas regras, foi considerado um mês de taxa do rotativo, mais 11 prestações com taxa de 8% ao mês cada. Para o empréstimo pessoal, foi considerada taxa de 5,36% ao mês, que corresponde à média do mercado.

Fonte: Economia Uol