pw_img_vivosortestep1A Caixa Econômica Federal – CEF não autorizou a empresa de telefonia ‘Vivo’ a operar o ‘Vivo Sorte’, um aplicativo que permite ao usuário do serviço apostar nos jogos da Mega-Sena. Vários empresários, dirigentes e lotéricos entraram em contato com o BNL nesta quarta-feira (22) para saber se a VIVO tinha autorização da CEF.
Apesar de toda vigilância da Caixa, existem vários sites e aplicativos brasileiros e internacionais que prestam este tipo de serviço. Mas existe uma grande dificuldade em coibir esta prática, pois esses sites e Apps prestam ‘serviço de courrier’ ou ‘serviço de entrega’ ao cliente. As empresas captam os palpites e registram as apostas em uma casa lotérica credenciada junto a Caixa. Ou seja, usando esta estratégia, os sites e Apps não vendem loterias, mas sim um serviço de entrega dos comprovantes de apostas.
O BNL tem conhecimento que a Caixa – além de orientar os apostadores sobre os riscos de apostar em sites e aplicativos não autorizados pelo banco –, já registrou várias ‘notícia-crime’ contra os prestadores deste serviço e vai continuar notificando os órgãos coatores até que o serviço não seja mais oferecido.
Na verdade, esta distorção só será resolvida com a regulamentação e implantação das vendas de apostas online pela Caixa, prometido para ainda este ano. A partir do marco legal, os sites e Apps que atualmente prestam este serviço ficarão proibidos de executá-los.
O apostador está em busca da comodidade na prestação desse serviço e acredita que é mais fácil correr riscos ‘comprando’ uma aposta através de umas destas plataformas do que enfrentar longas filas nas lotéricas.
O mais importante nesta história é o cliente saber de quem está comprando este serviço, pois não existe nenhuma garantia da Caixa Econômica Federal.

Fonte: BNL